Memória

Fragmentos de Memória

O Grande Templo em noventa anos de notícias em jornais

O Rabino Raffalovich chegou ao Rio de Janeiro já nomeado Grão-Rabino, para assumir o Grande Templo, ainda a ser construído.

O Grande Templo ficou lotado na cerimônia onde a comunidade judaica do Rio de Janeiro pediu a Deus pela pronta recuperação do Presidente Getúlio Vargas, no dia 12 de junho de 1942.

O capelão-mor do Exército de Israel, Rabino Goren, presenteou o Exército brasileiro com uma Torá, em cerimônia no Grande Templo.

Durante as festas, o ex-presidente Juscelino Kubitschek foi calorosamente recebido pela comunidade do Grande Templo, em 21 de setembro de 1963.

Todas as entidades israelitas do Rio de Janeiro compareceram à cerimônia no Grande Templo Israelita, em 9 de abril de 1964.

Por ocasião das festas, o Governo Negrão de Lima fez uma visita ao Grande Templo, em 10 de outubro de 1967

O novo Hazan do Grande Templo foi notícia no Correio da Manhã,  em 6 de abril de 1968.

No Grande Templo, em 1972, a congregação recordou os atletas mortos pelos terroristas palestinos, nas Olimpíadas de Munique.

Os jornais repercutiram a discussão em torno de um viaduto que seria construído para unir o túnel da Frei Caneca à Avenida Chile, e que ameaçava a integridade física do Grande Templo. Esse viaduto nunca foi construído. E o Templo permanece em seu lugar histórico.

Cerimônia do Yom Kippur foi notícia, no Jornal do Brasil, em 27 de setembro de 1974.

Please reload

O Grande Templo é um local de memória. A sua história é repartida pelos integrantes da comunidade judaica no Rio, cujos ancestrais frequentaram e se envolveram com o Templo, em diferentes momentos de sua longa trajetória. Estar no Templo, frequentá-lo, é estabelecer vínculos maiores com as origens e com os objetivos daqueles que vieram antes de nós.

Grandes lideranças, como o Sr. Adolpho Bloch, são sempre lembrados como construtores e mantenedores dessa obra que se aproxima de século. O Sr. Adolpho Bloch foi o responsável pela última grande reforma do Templo e por diversas inovações artísticas e decorativas em seu interior.

Também nos recordamos de todos aqueles cujas vidas estão ligadas ao Grande Templo, como o Sr. Salomão Gorenstein e sua família.

 

Primeira página da escritura de propriedade do terreno da Rua Tenente Possolo, 1926.

 

As duas maravilhosas menorot que adornam a bimá foram presentes de Arthur Dieudonné Haas e Mathilde Liebmann Haas, pais de Dª Rose Haas Klabin

 

Uma placa de bronze homenageia a participação da família Klabin na conservação do Grande Templo.

Se você possui documentos, imagens, filmes, que possam contribuir para preservar a memória do Grande Templo, entre em contato conosco e compartilhe esse material com a comunidade.

© 2017 Grande Templo Israelita do Rio de Janeiro

  • facebook-square